sábado, 3 de maio de 2014


Os meus olhos ardem. As minhas mãos tremem. Os meus pensamentos voam. E eu sobrevivo. Respiro novamente o ar da manhã tentando me lembrar em que dia estamos, ou mês, ou ano. Quais são os meus planos? Já não sei mais nadar nessa lama, e a cada passo que dou, mais me afundo. Criamos mundos sem portas ou janelas para nos protegermos e ficamos presos em nós mesmos. É o mal do século. Presos e submersos no medo. E o mundo ficará assim, completo de seres incompletos, procurando no outro o seu pedaço irrecuperável. Vivendo na beira do abismo, esperando do outro o empurrão fatal...

Nenhum comentário: