segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

Movimento dos barcos...


Estou cansado e você também
Vou sair sem abrir a porta
E não voltar nunca mais
Desculpe a paz que lhe roubei
E o futuro esperado que nunca lhe dei
É impossível levar um barco sem temporais
E suportar a vida como um momento além do cais
Que passa ao largo do nosso corpo
Não quero ficar dando adeus
As coisas passando
Eu quero é passar com elas
E não deixar nada mais do que cinzas de um cigarro
E a marca de um abraço no seu corpo
Não, não sou eu quem vai ficar no porto chorando
Lamentando o Eterno Movimento Dos Barcos...


(Toni Platão)

domingo, 20 de dezembro de 2009

Necessidade...



"...Preciso conduzir um tempo de te amar, te amando devagar e urgentemente. Pretendo descobrir, no último momento, um tempo que refaz o que desfez. que recolhe todo sentimento e bota no corpo uma outra vez. Prometo te querer, até o amor cair doente, doente. Prefiro, então, partir a tempo de poder a gente se desvencilhar da gente. Depois de te perder, te encontro, com certeza, talvez num tempo da delicadeza. Onde não diremos nada, nada aconteceu... Apenas seguirei, como encantado, ao lado teu..."
(Chico)